iStock-1394420141.jpg

One Amazon road belt 

RESUMO

Avalição ex-ante da relação custo-benefício de investimentos em projetos de infraestrutura viária. 

A construção de rodovias na Amazônia brasileira historicamente abre caminho para uma rápida ocupação e acelera o desmatamento na região. Mais recentemente, a expansão da malha de transportes, incluindo a repavimentação de rodovias emblemáticas como a BR-319, tem sido anunciada como prioridade governamental. Contudo, novas estradas e ferrovias muito provavelmente impulsionarão novos ciclos de desmatamento com significativos impactos locais e regionais, incluindo prejuízos para o agronegócio que depende da regulação climática e serviços ambientais da floresta amazônica. Assim, é fundamental avaliar de forma ex-ante a relação custo-benefício destes investimentos no tempo e no espaço para subsidiar a tomada de decisão. Esse projeto se propôs a investigar tanto a viabilidade econômica quanto os impactos ambientais e sociais diretos e indiretos das principais infraestruturas de transporte planejadas na Amazônia visando qualificar cientificamente o debate público.

Saiba mais

METODOLOGIA

Para projetos com intensa pressão governamental para rápida implementação, como a Ferrogrão e a repavimentação da BR-319, o modelo OTIMIZA-Infra foi associado SimAmazonia para analisar impactos socioambientais cumulativos e sinérgicos com o objetivo de subsidiar o debate público. Foram estimadas as áreas de influência direta e indireta dessas intervenções e calculadas as possíveis trajetórias de desmatamento, emissões de GEE e perda de serviços ambientais, quando aplicável.

RESULTADOS

Estima-se que a perda florestal na bacia logística do Ferrogrão pode chegar a 65% até 2035. Com o terminal de transbordo em Matupá, as perdas econômicas com as emissões de CO2 de origem florestal chegariam a US$ 1 bilhão (US$ 10/ton CO2) apenas para as Terras Indígenas. Com relação à pavimentação da BR-319, estimamos que o desmatamento acumulado até 2050 aumentaria em quatro vezes em comparação à média histórica projetada. A perda da vegetação nativa afetaria diversos serviços ambientais, principalmente a regulação das chuvas. Isso acarretaria uma perda de mais de 350 milhões de dólares por ano, apenas em receitas de geração de energia hidrelétrica, cultivo de soja e pecuária. Nosso estudo conclui que um estudo de viabilidade de infraestrutura de transporte deve levar em consideração a concorrência com outras rotas sob uma visão sistêmica de suas externalidades. Portanto, há a necessidade de estudos de modelagem integrada que considerem não apenas os aspectos logísticos, mas também os custos socioambientais dos projetos, individual e conjuntamente, a fim de buscar soluções que contribuam para o desenvolvimento sustentável do país.

Vias analisadas
Vias analisadas

press to zoom
Transporte atual para exportação de soja
Transporte atual para exportação de soja

press to zoom
Cenário exportação de soja incluindo Ferrogrão e Fico
Cenário exportação de soja incluindo Ferrogrão e Fico

press to zoom
Vias analisadas
Vias analisadas

press to zoom